Mutação

A navalha que as vezes açoita meu corpo
tem fio afiado,tem brilho forte de aço
cortando meus delírios,rasgando minha dor
lentamente sangra,me desfaço

Esta faca que atravessa meu peito
tem adjetivos próprios
substantivos abstratos
pronomes retos

Em cada cicatriz, desvenda mistério
em cada marca revela veneno
entre cortes e gritos
pressinto a queda e decadência do meu império

Nem sempre rainha,ou vassala
mulher mundana, serviçal
sangue nobre, ou plebéia
minha raiz guardo sempre igual

o que resta desta alma
marcada por loucuras outrora
emerge com candura
sublima, aflora, acalma

dissidente inconseqüente
determinada fielmente
destemida e febril
carrego nos poros
a essência de jamais ser vil.

(Neguinha Mucelli)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: