Arquivo de Fevereiro, 2011

Flamenco Por Alegrias (complete) – Eva La Yerbabuena

Posted in Folclore, Músicas on Fevereiro 27, 2011 by lapicta

Um dia Complicado

Posted in dia_a_dia, Reflexões on Fevereiro 26, 2011 by lapicta

Eu não tenho muito o hábito de fazer do blog um “diário” contando como foi meu dia ou coisas do gênero…
basicamente por eu achar que não é nada interessante e também por questão de perfil meu mesmo (reservada).
Mas hoje eu quis abrir uma exceção quanto a isso para tentar organizar meu caos interno…talvez no final nem soe
como sendo uma confissão ao estilo “meu querido diário” vejamos como eu consigo me expressar por aqui.

Não, meu dia não foi lindo…foi pesado, estressante e me chateou um bocado.

Passei desaforo e um stress do cão no período da manhã…senti tanto ódio que eu tremia na mesa de trabalho…suava de raiva e fiquei envenenada de uma forma que eu não ficava a cerca de 1 ano.

E eu, extrema como sou, transbordei igual tsunami, ressaquei feito mar…e trouxe de volta à beira de minha praia oferendas que pensei terem sido despachadas e aceitas…misturando tudo:
pois é… a rebordosa trouxe reações à problemas passados com pessoas do presente e que nem de longe tiveram a mesma atitude.

Ficou gritantemente evidente a quantidade de cicatrizes que possuo e o quanto certas coisas ainda não se curaram…as marcas deixadas e como às vezes ao invés de me curar eu prefiro seguir andando mesmo que me arrastando…e não sei se isso é passível de mudança em mim…

Talvez cada um tenha seu “jeitão” de resolver as pendengas que carrega: tem os que fingem indiferença, os que estancam sem se mover e a minha turminha: os que seguem em frente nem que seja na marra e meio como o louco do tarot, como que sem notar o que carrega ou o q está ao redor ou até o que deixa caído na trilha.

Creio que aprendi algo hoje pela dor…e nisso tento rever minha postura perante as pessoas e o que elas efetivamente acham de mim e a imagem que projeto…como também me convenço de que às vezes nós encontrarmos gente que nos faz pensar em pessoas do passado, em gente que só pisou na bola  conosco…e nossa…como me arrependi de ter tido essas reações com gente que nada me fez..pq percebi que magoei de maneira muito gratuita e pequena…saltou aos meus olhos o quanto posso ser ignorante, bruta, rude e grossa sem motivos e a minha dantesca sutileza de elefante…a total falta de tato quando meu emocional rola sem freio.

O que me resta é pedir desculpas por algo que nem faz muito sentido nem tem nexo… por pura vibração mesmo e por um sentir que talvez esteja apenas no que posso chamar de “Universo Particular” como diz a música da Marisa.

Eu não sei se conseguirei reverter isso com meras desculpas a quem eu talvez tenha magoado (nem disso tenho certeza…talvez a pessoa só pense que sou louca varrida e pronto)…mas preciso tentar…pq sou assim mesmo: não suporto a idéia de me manter assim e agindo dessa maneira…ter vergonha de si próprio é “fim de carreira” como diz a língua do povo.

E como a vida tem senso de humor negro, no final, vejo que terei de buscar o que preciso aprender a dar aos outros: o famigerado perdão – que para mim é a palavra do ano.

Essa virada de ano eu pensei muito em todos os espinhos que colhi…e entendi que preciso perdoar muita coisa de muita gente e também me perdoar…pq percebo que não fazer isso deixa o coração da gente seco e amargurado…e para uma criatura emotiva como eu, isso é quase como ser vegetal (preciso sentir a vibração sensorial da harmonia e do afeto em tudo…do contrário os dias perdem as cores).
Fora outras coisas que pensei sobre mim e acredito que precisam de mais equilíbrio…preciso amadurecer muitas reações e sensações em mim.

Espero ter “cojones” para isso, pois meu jeito introvertido não é dado a ser muito expressivo …e eu sou tímida por
mais que muita gente ache que não (a velha imagem que as pessoas projetam de mim e que nem sempre é real).

Sá, Rodrix e Guarabyra

Posted in Uncategorized on Fevereiro 11, 2011 by lapicta

Essa aqui é aquelas pra cantar gritado…tipo grito de guerra sabe? para que a gente nunca se esqueça do importante e vomite o que faz mal.

Lisa Gerrard – Indus

Posted in Espiritualidade, Músicas, Reflexões on Fevereiro 10, 2011 by lapicta

O medo causado pela Inteligência

Posted in dia_a_dia, Reflexões on Fevereiro 8, 2011 by lapicta

O MEDO CAUSADO PELA INTELIGÊNCIA

(*)Autor Desconhecido, uma contribuição de Lourdes Santiago.

Quando Winston Churchill, ainda jovem, acabou de pronunciar seu discurso de estréia na Câmara dos Comuns, foi perguntar a um velho parlamentar, amigo de seu pai, o que tinha achado do seu primeiro desempenho naquela assembléia de vedetes políticas.

O velho pôs a mão no ombro de Churchill e disse, em tom paternal: “Meu jovem, você cometeu um grande erro. Foi muito brilhante neste seu primeiro discurso na Casa. Isso é imperdoável! Devia ter começado um pouco mais na sombra. Devia ter gaguejado um pouco. Com a inteligência que demonstrou hoje, deve ter conquistado, no mínimo, uns trinta inimigos. O talento assusta”. Ali estava uma das melhores lições de abismo que um velho sábio pôde dar ao pupilo que se iniciava numa carreira difícil. Isso, na Inglaterra. Imaginem aqui, no Brasil.

Não é demais lembrar a famosa trova de Ruy Barbosa: “Há tantos burros mandando em homens de inteligência, que, às vezes, fico pensando que a burrice é uma Ciência”. A maior parte das pessoas encasteladas em posições políticas é medíocre e tem um indisfarçável medo da inteligência. Temos de admitir que, de um modo geral, os medíocres são mais obstinados na conquista de posições. Sabem ocupar os espaços vazios deixados pelos talentosos displicentes que não revelam o apetite do poder. Mas, é preciso considerar que esses medíocres ladinos oportunistas e ambiciosos, têm o hábito de salvaguardar suas posições conquistadas com verdadeiras muralhas de granito por onde talentosos não conseguem passar. Em todas as áreas encontramos dessas fortalezas estabelecidas, as panelinhas do arrivismo, inexpugnáveis às legiões dos lúcidos. Dentro desse raciocínio, que poderia ser uma extensão do “Elogio da Loucura”, de Erasmo de Roterdan, somos forçados a admitir que uma pessoa precise fingir de burra se quiser vencer na vida. É pecado fazer sombra a alguém até numa conversa social. Assim como um grupo de senhoras burguesas bem casadas boicota, automaticamente, a entrada de uma jovem mulher bonita no seu círculo de convivência, por medo de perder seus maridos, também os encastelados medíocres se fecham como ostras, à simples aparição de um talentoso jovem que os possa ameaçar. Eles conhecem bem suas limitações, sabem como lhes custa desempenhar tarefas que os mais dotados realizam com uma perna nas costas… Enfim, na medida em que admiram a facilidade com que os mais lúcidos resolvem problemas, os medíocres os repudiam para se defender. É um paradoxo angustiante!

Infelizmente, temos de viver segundo essas regras absurdas que transformam a inteligência numa espécie de desvantagem perante a vida. Como é sábio o velho conselho de Nelson Rodrigues… “Finge-te de idiota, e terás o céu e a terra”. O problema é que os inteligentes gostam de brilhar! Que Deus os proteja, então, dos medíocres!…

(*) Lourdes Santiago, é Gerente Administrativo-Financeira da Doppler Equipamentos Ltda, cliente e leitora do nosso Newsletter:

“-Recebi este texto, não conheço o autor, porém não pude deixá-lo engavetado. A eloqüência das palavras nele contida nos faz refletir sobre a profundidade e autenticidade daqueles que se destacam na mídia, na política e até mesmo nas empresas”.

NightWish – Walking in the Air

Posted in Músicas, Reflexões on Fevereiro 2, 2011 by lapicta

sem mais palavras a acrescentar…

%d bloggers like this: