Arquivo de Março, 2011

Osho – o Saber além da Lógica

Posted in Espiritualidade, Músicas, Reflexões on Março 31, 2011 by lapicta

Para pensar…

Ao som de Portishead.

Anúncios

Rainer Maria Rilke – Dançarina Espanhola

Posted in Folclore, Poesias on Março 24, 2011 by lapicta

Como um fósforo a arder antes que cresça
a flama, distendendo em raios brancos
suas línguas de luz, assim começa
e se alastra ao redor, ágil e ardente,
a dança em arco aos trêmulos arrancos.

E logo ela é só flama, inteiramente.

Com um olhar põe fogo nos cabelos
e com arte sutil dos tornozelos
incendeia também os seus vestidos
de onde, serpentes doidas, a rompê-los,
saltam os braços nus com estalidos.

Então como se fosse um feixe aceso,
colhe o fogo num gesto de desprezo,
atira-o bruscamente no tablado
e o contempla. Ei-lo ao rés do chão, irado,
a sustentar ainda a chama viva.
Mas ela, do alto, num leve sorriso
de saudação, erguendo a fronte altiva,
pisa-o com seu pequeno pé preciso.

Tudo Joinha!

Posted in Curiosidades on Março 24, 2011 by lapicta

William Blake

Posted in Espiritualidade, Literatura, Poesias, Reflexões on Março 21, 2011 by lapicta

O PREÇO DA EXPERIÊNCIA

Qual é o preço da experiência? Os homens a adquirem com uma canção?
Ganham sabedoria dançando nas ruas? Não, ela é comprada pelo preço
De tudo que um homem tem, sua moradia, sua esposa, seus filhos.
A sabedoria é vendida num mercado sombrio onde ninguém vem comprar,
E no campo infecundo que o fazendeiro lavra em vão por seu pão.

É fácil vencer sob o sol do verão
E na colheita cantar na carroça abarrotada de grãos.
É fácil dizer da cautela aos aflitos,
Falar das leis da prudência ao andarilho sem abrigo,
Ouvir o grito faminto do corvo na estação invernal
Quando o sangue vermelho mistura-se ao vinho e ao tutano do cordeiro

É tão fácil sorrir perante a ira da natureza,
Ouvir o uivo do cão ante a porta no inverno, e o boi mugindo no matadouro;
Ver um deus em cada brisa e uma bênção em cada tempestade.
Ouvir o som do amor no raio que arruína a casa do inimigo;

Regozijar-se diante da praga que toma o seu campo, e da doença que ceifa seus filhos,
Enquanto nossas oliveiras e nosso vinho cantam e riem na frente da porta,
e nossos filhos nos trazem frutas e flores.
Então o lamento e a dor estão quase esquecidos, assim como o escravo que roda o moinho,

E o escravo acorrentado, o pobre prisioneiro, e o soldado no campo de batalha
Quando os ossos quebrados deixam-no gemendo à espera da morte feliz.
É fácil regozijar-se sob a tenda da prosperidade:
Eu poderia cantar e me regozijar dessa maneira: mas eu não sou assim.

William Blake 



Vale Mais Ser Amado ou Temido?

Posted in Literatura, Reflexões on Março 15, 2011 by lapicta

 

Vale mais ser amado ou temido ? O ideal é ser as duas coisas, mas como é difícil reunir as duas coisas, é muito mais seguro – quando uma delas tiver que faltar – ser temido do que amado. Porque, dos homens em geral, se pode dizer o seguinte: que são ingratos, volúveis, fingidos e dissimulados, fugidios ao perigo, ávidos do ganho. E enquanto lhes fazeis bem, são todos vossos e oferecem-vos a família, os bens pessoais, a vida, os descendentes, desde que a necessidade esteja bem longe. Mas quando ela se avizinha, contra vós se revoltam. E aquele príncipe que tiver confiado naquelas promessas, como fundamento do ser poder, encontrando-se desprovido de outras precauções, está perdido. É que as amizades que se adquirem através das riquezas, e não com grandeza e nobreza de carácter, compram-se, mas não se pode contar com elas nos momentos de adversidade. Os homens sentem menos inibição em ofender alguém que se faça amar do que outro que se faça temer, porque a amizade implica um vínculo de obrigações, o qual, devido à maldade dos homens, em qualquer altura se rompe, conforme as conveniências. O temor, por seu turno, implica o medo de uma punição, que nunca mais se extingue. No entanto, o príncipe deve fazer-se temer, de modo que, senão conseguir obter a estima, também não concite o ódio.

Nicolo Maquiavel, in ‘O Príncipe’

Clann an Drumma – Ravens

Posted in Espiritualidade, Músicas on Março 14, 2011 by lapicta

nem tanto pelo vídeo…mas principalmente pela música.

Uma Homenagem a Cadu Garcia

Posted in Uncategorized on Março 11, 2011 by lapicta

 

Nessa volta de carnaval, soube de um menino muito querido que partiu… na verdade, covardemente assassinado.

Apesar de fazer um bom tempo que não o via e não ser amiga próxima, guardo memórias de seu jeito doce e gentil, de seus olhos sonhadores.

Fica a dor e a saudade a nós que estamos desse lado do Véu…na Vida.

Cadu,  que sua Travessia tenha  sido Plena como acredito que foi. Para honrar  o carinho que me vem quando lembro de você, posto algo do seu blog (http://br.cadugarcia.com/)

QUEM SOU EU

Eu rio de coisa séria, me apaixono por deuses e danço em funerais.
Acho comédias tediantes e acho as estrelas muito mais bonitas que os fogos de artifício.
Eu gosto de pensar sobre o lado escuro da lua, gosto de sentir o vento gelado passando pela minha pele.
Violo a privacidade do olhar, perturbo a tranquilidade dos lábios e bagunço os cabelos.
Eu sou poesia, música e dança.
Eu sou os medos alheios, os desejos e prazeres escondidos.
Eu não sou paz, sou a tempestade que lava o mundo e a traz.

CADU GARCIA

%d bloggers like this: