Archive for the Folclore Category

Faun – Andro

Posted in Espiritualidade, Folclore, Músicas on Setembro 16, 2012 by lapicta
Anúncios

Posted in Etnografia, Folclore, Músicas on Agosto 19, 2011 by lapicta

Fuxan os Ventos – O Meu Amor Mariñeiro

Posted in Espiritualidade, Folclore, Músicas, Reflexões on Agosto 4, 2011 by lapicta
O meu amor Mariñeiro

Fuxan Os Ventos

Meu amor é mariñeiro
e vive no alto mar;
son os seus brazos o vento
ninguén llos pode amarrar.
Meu amor é mariñeiro
e cando me ven falar
pon un carabel nos beizos
no corazón un cantar.

EU SON LIBRE COMO AS AVES
E PASO A VIDA A CANTAR;
CORAZON QUE NACE LIBRE
NON SE PODE ENCADEAR.

Traio un navío nas veas
eu nacín pra mariñar;
quen tente porme cadeas
háme primeiro matar!
Vale máis ser libre un día
no confín do bravo mar,
que vivir todad a vida,
preso, escravo e a calar!

El vive alá lonxe, lonxe,
onde brúa o bravo mar,
e coa súa forza inmorrente
onda nós ha de voltar!

EU SON LIBRE…

Nun momento, de repente,
eu sei que un día virá,
como se o mar e o vento,
en nós abrise a cantar.

HEI PASAR POLO LUGARES
COMO O VENTO NO AREAL
ABRIR TÓDALAS VENTANAS
COA ESCRAVITUDE ACABAR!

Polas rúas das ciudades
hei de pasar a cantar,
traguendo na mau direita
a espada da libertá.
Como se un navío entrase
de supeto, na ciudá,
traguendo a voar no mástil
bandeiras de libertá!

HEI PASAR POLO LUGARES
COMO O VENTO NO AREAL
ABRIR TÓDALAS VENTANAS
COA ESCRAVITUDE ACABAR!

Hino do Antergo Reino de Galiza

Posted in Espiritualidade, Folclore, Músicas on Julho 27, 2011 by lapicta

System Of a Down – Arto

Posted in Espiritualidade, Folclore, Músicas on Julho 25, 2011 by lapicta

Rainer Maria Rilke – Dançarina Espanhola

Posted in Folclore, Poesias on Março 24, 2011 by lapicta

Como um fósforo a arder antes que cresça
a flama, distendendo em raios brancos
suas línguas de luz, assim começa
e se alastra ao redor, ágil e ardente,
a dança em arco aos trêmulos arrancos.

E logo ela é só flama, inteiramente.

Com um olhar põe fogo nos cabelos
e com arte sutil dos tornozelos
incendeia também os seus vestidos
de onde, serpentes doidas, a rompê-los,
saltam os braços nus com estalidos.

Então como se fosse um feixe aceso,
colhe o fogo num gesto de desprezo,
atira-o bruscamente no tablado
e o contempla. Ei-lo ao rés do chão, irado,
a sustentar ainda a chama viva.
Mas ela, do alto, num leve sorriso
de saudação, erguendo a fronte altiva,
pisa-o com seu pequeno pé preciso.

Flamenco Por Alegrias (complete) – Eva La Yerbabuena

Posted in Folclore, Músicas on Fevereiro 27, 2011 by lapicta
%d bloggers like this: