Archive for the dia_a_dia Category

Mais um final de ano…

Posted in dia_a_dia, Reflexões on Dezembro 22, 2011 by lapicta

…e eu em período de silêncio… fase de pensar muito, assimilar…porém não com geração de palavras concretas… se sempre fui da turma do Sentir, ultimamente mais do que nunca.

Sendo assim, mantenho meu momento “músicas que falam por mim”. Sobre lições, sobre reflexões e sobre conclusões…

E que venha 2012!

Tudo Joinha!

Posted in Curiosidades on Março 24, 2011 by lapicta

Um dia Complicado

Posted in dia_a_dia, Reflexões on Fevereiro 26, 2011 by lapicta

Eu não tenho muito o hábito de fazer do blog um “diário” contando como foi meu dia ou coisas do gênero…
basicamente por eu achar que não é nada interessante e também por questão de perfil meu mesmo (reservada).
Mas hoje eu quis abrir uma exceção quanto a isso para tentar organizar meu caos interno…talvez no final nem soe
como sendo uma confissão ao estilo “meu querido diário” vejamos como eu consigo me expressar por aqui.

Não, meu dia não foi lindo…foi pesado, estressante e me chateou um bocado.

Passei desaforo e um stress do cão no período da manhã…senti tanto ódio que eu tremia na mesa de trabalho…suava de raiva e fiquei envenenada de uma forma que eu não ficava a cerca de 1 ano.

E eu, extrema como sou, transbordei igual tsunami, ressaquei feito mar…e trouxe de volta à beira de minha praia oferendas que pensei terem sido despachadas e aceitas…misturando tudo:
pois é… a rebordosa trouxe reações à problemas passados com pessoas do presente e que nem de longe tiveram a mesma atitude.

Ficou gritantemente evidente a quantidade de cicatrizes que possuo e o quanto certas coisas ainda não se curaram…as marcas deixadas e como às vezes ao invés de me curar eu prefiro seguir andando mesmo que me arrastando…e não sei se isso é passível de mudança em mim…

Talvez cada um tenha seu “jeitão” de resolver as pendengas que carrega: tem os que fingem indiferença, os que estancam sem se mover e a minha turminha: os que seguem em frente nem que seja na marra e meio como o louco do tarot, como que sem notar o que carrega ou o q está ao redor ou até o que deixa caído na trilha.

Creio que aprendi algo hoje pela dor…e nisso tento rever minha postura perante as pessoas e o que elas efetivamente acham de mim e a imagem que projeto…como também me convenço de que às vezes nós encontrarmos gente que nos faz pensar em pessoas do passado, em gente que só pisou na bola  conosco…e nossa…como me arrependi de ter tido essas reações com gente que nada me fez..pq percebi que magoei de maneira muito gratuita e pequena…saltou aos meus olhos o quanto posso ser ignorante, bruta, rude e grossa sem motivos e a minha dantesca sutileza de elefante…a total falta de tato quando meu emocional rola sem freio.

O que me resta é pedir desculpas por algo que nem faz muito sentido nem tem nexo… por pura vibração mesmo e por um sentir que talvez esteja apenas no que posso chamar de “Universo Particular” como diz a música da Marisa.

Eu não sei se conseguirei reverter isso com meras desculpas a quem eu talvez tenha magoado (nem disso tenho certeza…talvez a pessoa só pense que sou louca varrida e pronto)…mas preciso tentar…pq sou assim mesmo: não suporto a idéia de me manter assim e agindo dessa maneira…ter vergonha de si próprio é “fim de carreira” como diz a língua do povo.

E como a vida tem senso de humor negro, no final, vejo que terei de buscar o que preciso aprender a dar aos outros: o famigerado perdão – que para mim é a palavra do ano.

Essa virada de ano eu pensei muito em todos os espinhos que colhi…e entendi que preciso perdoar muita coisa de muita gente e também me perdoar…pq percebo que não fazer isso deixa o coração da gente seco e amargurado…e para uma criatura emotiva como eu, isso é quase como ser vegetal (preciso sentir a vibração sensorial da harmonia e do afeto em tudo…do contrário os dias perdem as cores).
Fora outras coisas que pensei sobre mim e acredito que precisam de mais equilíbrio…preciso amadurecer muitas reações e sensações em mim.

Espero ter “cojones” para isso, pois meu jeito introvertido não é dado a ser muito expressivo …e eu sou tímida por
mais que muita gente ache que não (a velha imagem que as pessoas projetam de mim e que nem sempre é real).

O medo causado pela Inteligência

Posted in dia_a_dia, Reflexões on Fevereiro 8, 2011 by lapicta

O MEDO CAUSADO PELA INTELIGÊNCIA

(*)Autor Desconhecido, uma contribuição de Lourdes Santiago.

Quando Winston Churchill, ainda jovem, acabou de pronunciar seu discurso de estréia na Câmara dos Comuns, foi perguntar a um velho parlamentar, amigo de seu pai, o que tinha achado do seu primeiro desempenho naquela assembléia de vedetes políticas.

O velho pôs a mão no ombro de Churchill e disse, em tom paternal: “Meu jovem, você cometeu um grande erro. Foi muito brilhante neste seu primeiro discurso na Casa. Isso é imperdoável! Devia ter começado um pouco mais na sombra. Devia ter gaguejado um pouco. Com a inteligência que demonstrou hoje, deve ter conquistado, no mínimo, uns trinta inimigos. O talento assusta”. Ali estava uma das melhores lições de abismo que um velho sábio pôde dar ao pupilo que se iniciava numa carreira difícil. Isso, na Inglaterra. Imaginem aqui, no Brasil.

Não é demais lembrar a famosa trova de Ruy Barbosa: “Há tantos burros mandando em homens de inteligência, que, às vezes, fico pensando que a burrice é uma Ciência”. A maior parte das pessoas encasteladas em posições políticas é medíocre e tem um indisfarçável medo da inteligência. Temos de admitir que, de um modo geral, os medíocres são mais obstinados na conquista de posições. Sabem ocupar os espaços vazios deixados pelos talentosos displicentes que não revelam o apetite do poder. Mas, é preciso considerar que esses medíocres ladinos oportunistas e ambiciosos, têm o hábito de salvaguardar suas posições conquistadas com verdadeiras muralhas de granito por onde talentosos não conseguem passar. Em todas as áreas encontramos dessas fortalezas estabelecidas, as panelinhas do arrivismo, inexpugnáveis às legiões dos lúcidos. Dentro desse raciocínio, que poderia ser uma extensão do “Elogio da Loucura”, de Erasmo de Roterdan, somos forçados a admitir que uma pessoa precise fingir de burra se quiser vencer na vida. É pecado fazer sombra a alguém até numa conversa social. Assim como um grupo de senhoras burguesas bem casadas boicota, automaticamente, a entrada de uma jovem mulher bonita no seu círculo de convivência, por medo de perder seus maridos, também os encastelados medíocres se fecham como ostras, à simples aparição de um talentoso jovem que os possa ameaçar. Eles conhecem bem suas limitações, sabem como lhes custa desempenhar tarefas que os mais dotados realizam com uma perna nas costas… Enfim, na medida em que admiram a facilidade com que os mais lúcidos resolvem problemas, os medíocres os repudiam para se defender. É um paradoxo angustiante!

Infelizmente, temos de viver segundo essas regras absurdas que transformam a inteligência numa espécie de desvantagem perante a vida. Como é sábio o velho conselho de Nelson Rodrigues… “Finge-te de idiota, e terás o céu e a terra”. O problema é que os inteligentes gostam de brilhar! Que Deus os proteja, então, dos medíocres!…

(*) Lourdes Santiago, é Gerente Administrativo-Financeira da Doppler Equipamentos Ltda, cliente e leitora do nosso Newsletter:

“-Recebi este texto, não conheço o autor, porém não pude deixá-lo engavetado. A eloqüência das palavras nele contida nos faz refletir sobre a profundidade e autenticidade daqueles que se destacam na mídia, na política e até mesmo nas empresas”.

Os números de 2010

Posted in dia_a_dia on Janeiro 2, 2011 by lapicta

pois é… a saúde do blog tá ótima…mesmo que a saúde mental da blogueira seja, digamos, sombria, rsrsrsrs.

———————————-

Os duendes das estatísticas do WordPress.com analisaram o desempenho deste blog em 2010 e apresentam-lhe aqui um resumo de alto nível da saúde do seu blog:

Healthy blog!

O Blog-Health-o-Meter™ indica: Uau.

Números apetitosos

Imagem de destaque

Um navio de carga médio pode transportar cerca de 4.500 contentores. Este blog foi visitado 19,000 vezes em 2010. Se cada visita fosse um contentor, o seu blog enchia cerca de 4 navios.

 

Em 2010, escreveu 206 novos artigos, nada mau para o primeiro ano!

Christmas

Posted in dia_a_dia, Reflexões on Dezembro 23, 2010 by lapicta

Pois então que o ano do calendário Juliano está chegando ao final…e eu, como sempre, não estou em clima de Natal (acho que é coisa de gente que faz aniversário perto da data).

Tudo caminhou bem e como deveria ser, afinal, a vida sempre segue seu curso normal: eu recebi muitas bênçãos, abandonei o que não era mais para estar em meu caminho,
sorri, chorei, fiz amigos, mudei de direção, segui meu curso, subi montanhas, desci cachoeiras e assim sigo…no remanso das águas (ora calmas, ora turbulentas).

Aprendi tanto e em tantos aspectos nesse ano que passou…rejuvenesci em tantos pontos como também envelheci muito em questão de semanas…murchei, morri, me podei
e floresci, como manda a Mãe Natureza.

Certos entendimentos caíram em mim como canivetes assim como outros me sopraram a fronte como brisa fresca, e eu me sinto muito, mas muito grata por tudo que sou e que
tenho ao meu redor, assim como desejo melhorar como pessoa e ser alguém que sempre se transforma…em alguém melhor, ter mais e mais maturidade de alma onde seja
necessário bem como voltar a ser criança onde tenha envelhecido e precise de inocência.

Tudo o que vivi e senti não é passível de ser escrito (seja por minha incapacidade ou por fazer parte do mundo dos sentimentos inonimados) mas fazem parte do meu mundo de dentro…aquele que todos nós temos.

Que sejamos sempre merecedores do que nos ocorre – coisas boas ou ruins – e que possamos ter o discernimento de entendê-las, aprender com elas… e se acaso vierem as
que não temos o entendimento, que então tenhamos humildade de esperar o tempo certo de entendê-las…mas principalmente que mantenhamos a dignidade e auto-referência de
quem somos – sempre e sempre – pois quando não resta mais nada, temos a nós mesmos e precisamos disso para saber para onde se voltar.

Só tenho a desejar que o calendário que se inicia seja novamente repleto de acontecimentos que me façam ir adiante (faça chuva ou faça sol), para mim e para todos nós!

Meus desejos:

“… Procure os seus caminhos,
mas não magoe ninguém nessa procura.
Arrependa-se, volte atrás, peça perdão!
Não se acostume com o que não o faz feliz,
revolte-se quando julgar necessário.
Alague seu coração de esperanças,
mas não deixe que ele se afogue nelas.
Se achar que precisa voltar, volte!
Se perceber que precisa seguir, siga!
Se estiver tudo errado, comece novamente.
Se estiver tudo certo, continue.
Se sentir saudades, mate-a.
Se perder um amor, não se perca!
Se o achar, segure-o!”
(Fernando Pessoa)

Acidez Mental? Nem tanto…

Posted in dia_a_dia, Reflexões on Novembro 30, 2010 by lapicta

Andei conversando com alguns amigos sobre uma porção de fatos…de possíveis filosofias de vida, de comportamentos, de posicionamentos…enfim, sobre a teatralidade mesmo da nossa vida no dia-a-dia… e daí, divagações me ocorrem (minha cabeça é uma usina de idéias e reflexões…nem sempre de merda, espero, rsrsrs).

Eu poderia chegar nessa blog e ditar um monte de verdades impostas…como muitos fazem por ai (tanto no meio virtual como no real ) mas não faço isso, não possuo nem sou detentora de verdades, o que tenho são minhas experiências de vida, e que podem ser poucas perante a vida de tantos outros. E justamente por isso, é sempre importante nos olharmos como iguais pois nunca se sabe o quanto aprenderemos com alguém que vem e partilha de suas histórias conosco ou o banquete que você vai comer no prato que escarrou ou até se vai te cair na testa…em cheio no olho…

Poderia dizer que faço e aconteço, que minha suposta “figura poderosa” (HÁ…idiotas dos que se acham Poderosos)impõe respeito na vida e no trabalho (por talvez ser formadora de opinião, por ter algum cargo), entre os amigos (usando de artifícios de convencimento), nas relações sociais que eu venha a ter, firular e tudo o mais sobre ser isso ou aquilo, mas óbvio que não faço nem farei…cada qual tem de ser senhor de seu caminho, ter suas próprias idéias, conceber suas dúvidas e buscar suas respostas. Tudo o que é facilitado possui raízes fracas e na primeira seca, morre a semente que foi mal acostumada (pode-se pensar até na lagarta que se transforma em borboleta e que se tiver ajuda para sair do casulo fica com as asas fracas, impossibilitada de voar.), Então, não levo em conta nada que ninguém facilite nem acredito que eu possa fazer isso por alguém, mas se ainda assim for, não o faço.

É…sou difícil de agradar…e mais ainda de ser manipulada…so sorry mas sou Pensante…demais até.

Fui figura de certa forma pública no meio virtual durante curto período de tempo e sempre me mantive discreta para, e em seguida, ser mais discreta ainda. Também fui bem “comentada” em âmbitos profissionais…por ser estilo a “ONU” (como diria um amigo) ou por ser irrascível quase como um diabo de saias.

Sim, fui e sou polêmica e como dizia vovó, a famosa BOCUDA. Eu falo mesmo…não guardo nada para depois e quem quiser minha opinião sobre algo nem sempre vai ouvir o que gostaria…não sou o tipo de pessoa que é doce por convenções…mas existe algo acima de tudo: respeitar a opinião dos outros, ouvir, mensurar…mas gente vendida não tem vez…passa vergonha comigo mesmo.

Como absolutamente todo mundo nessa vida que possui um senso de humor muito do negro e excêntrico, encontrei e conheci gente maravilhosa e admirável como também dei azar de encontrar muita gente confusa, imatura, mal intencionada e cheia de veneno (reflexo da sociedade atual? Será?).

Ainda mantenho algumas amizades desses meios todos, outras sinceramente não fiz a menor questão de manter, uma vez que amizade e contato para mim é no seu mais real conceito, sem subterfúgios, sem motivos obscuros, sem ter que mentir para agradar e sem visar troca de nada que não fosse afeto e real elo humano e assim sendo, fiz minhas escolhas muito lúcida e conscientemente e com a certeza de estar seguindo meus instintos, intuição e coração ao fazê-las. Esse tipo de seletividade eu aplico e apliquei em tudo: amigos próximos, colegas, gente do meio virtual e até em relações de trabalho.

Nesses momentos de ruptura, onde você descobre visceralmente seus limites e os impõe aos que vivem perto de você sempre ultrapassando-os ou até te ultrajando por posturas que mais parecem caricaturas da vida real, existe o momento do caos e revolta… Houveram os que se revoltaram e entenderam os motivos seguindo com suas vidas, os que tentaram e talvez ainda tentem ludibriar onde houver espaço, sondar por sei lá qual motivo e até os que tentaram retomar amizade mesmo.

Algumas tentei e deu certo, outras não vi condições para isso pura e simplesmente pela questão da falta de verdade no elo existente…se nunca houve, por que haveria depois?

Se nós mudamos? certamente…mas existe algo maior que isso, e se chama nossa essência, então, essencialmente somos sempre os mesmos e não preciso tomar outra dose de um cálice envenenado para meus lábios e saber que não me apetece. Nada contra…somente que a mim não agradou….mas certamente agradará a outras pessoas. A vida é feita disso: diferentes nuances e sabores…cada um prefere algo distinto de quem está ao lado.

Já acreditei mais na mudança das pessoas…mas ainda assim acredito e penso que tem gente que talvez não tenha aflorado sua essência verdadeira e sou franca em dizer que sempre fui de estender a mão, de ajudar, de dar apoio e muitas vezes me estrepei bastante nisso (fazer o quê? faz parte da minha natureza o “não dar as costas”…abomino gente que faz isso), afinal, tem gente que vive do roubo da energia vital e de afeto de gente que se dispõe a fazer isso pelos outros..ladrões dos bens mais preciosos: os que estão em almas e corações.

Cada vez mais eu percebo que quem fere os outros na mais profunda atitude egoísta\egóica nunca se dá bem depois…existe equilíbrio no Universo. Um dia a balança pende aqui e outra, acolá.

Vingança pessoal não leva a nada – mas que ninguém venha enfiar o dedo na minha boca pensando que estará escancarada de dentes esperando a morte chegar. Vingança para mim cada dia mais se torna apenas uma satisfação momentânea e vazia, pois não desfaz um ato sujo e mancha mais ainda quem resolve atolar a mãozinha lá….e no final, a terra é redonda…a roda gira e logo as pessoas ficam cara a cara…

Por isso, tão melhor atitudes limpas e jogo limpo… não é agradável abaixar a cabeça perante o outro por vergonha de supostos atos baixos cometidos (sou a favor da integridade a qualquer custo).

Desculpas são muito fáceis de serem pedidas mas dá-las envolvem muitos outros temas: é preciso que ela brote muito do fundo pois dizer da boca pra fora de nada adianta e eu não creio ser hipócrita nessa vida…não costuma ser do meu feitio dizer uma coisa e sentir outra ou falar uma coisa e fazer outra (e só eu sei o quanto já senti o peso de ser assim) e se eu não desculpo, não desculpei mesmo. E azar o meu, ponto final. Um dia quem sabe eu possa desculpar? E essa resposta não pertence a mim, mas ao tempo mesmo.

Sempre tive o maior cuidado com o contato com o outro mas perfeição não existe na condição humana…quando errei pedi desculpas, me expliquei, voltei atrás e busquei a reconciliação…me constrange e me faz muito mal pensar que fui mesquinha, pequena ou egoísta e que eu não gostaria que certos sentimentos que eu causei me fossem causados… então, sempre que perdi minha linha eu fui lá e me redimi…e não me arrependo de nenhuma dessas situações pois ela refletiam quem sou. E admiro muito quem faz o mesmo: prova de passar por cima de ego, de orgulho…e até hoje quem veio e falou comigo após coisas assim eu aceitei e me dei por satisfeita…e cada qual seguiu sua estradinha.

Muito sinceramente digo que não guardo raiva, de verdade, pois quando abandono algo (amizade, contato, relacionamento…) e houve muita sujeira, raramente até toco no(s) nome(s) depois, o que resta sim é muita mágoa e só com o tempo eu vou dissolvendo isso…a vida segue seu curso e as relações se reciclam, outras surgem para um eu transformado pelas experiências vividas…quem não se transforma revive com outros rostos e roupagens as mesmas situações e digo como alguém que vivenciou isso o quanto é cansativo, destrutivo e doloroso não ter superado algo e ter de revivê-lo…dor revivida vem muito mais intensificada e o sabor, se antes podia ser ligeiramente amargo, se torna puro fel, mas ainda assim, como diz a língua do Povo, uma coisa não ter termina até ter acabado (apesar de tantas vezes querer que tudo seja como o dia e a noite, bem seguidos um do outro) e entendo que às vezes é preciso muito tempo até que algo se finde pra valer.

Esse blá blá blá todo não é em virtude de nada nem ninguém. São só reflexões mesmo…de alguém que está sempre errando, aprendendo e transformando seu interior…que vem e cospe as palavras para depois (se for necessário) vir e engoli-las todas a seco se for preciso.

Não tenho esses apegos bobos de gente que morre gritando uma lorota qualquer somente para dizer que é convicto. Eu sou convicta de uma coisa apenas: A VERDADE NUNCA DORME… ela pode até passear longe de você, mas uma hora ela aparece na sua porta para expor o âmago de tudo…mesmo que seja pra te deixar em completa nudez perante uma multidão…então, melhor não ter vergonha nunca de nada, não é?

Eu, pelo meu lado, deito minha cabeça no travesseiro e durmo em paz…satisfeita em realizar até o fim tudo o que sempre está ao meu alcance e sem levar comigo convicções idiotas ou orgulho em demasiado ao ponto de passar por cima de todos, inclusive de minha própria pessoa.

E acho que chega de acidez mental por hoje…mas estou com outras idéias fomentando aqui, rs… mais adiante eu faço outro post (se conseguir concatená-las todas e tiver tempo).

%d bloggers like this: